Destaque

China comunista: autoridades derrubam parte de igreja e retornam para demolir casas de cristãos

Um mês depois de demolir parcialmente uma igreja na província de Fujian, na China, dezenas de oficiais voltaram para derrubar casas de famílias cristãs no complexo residencial onde a igreja estava localizada.

Guardas e funcionários do Departamento étnico e religioso local invadiram o edifício da Igreja de Xingguang na cidade de Xiamen na última quarta-feira para mais demolições de casas cristãs em conjunto com a igreja doméstica, segundo relata a agência ‘International Christian Concern’ (ICC), órgão de vigilância da perseguição dos EUA.

+ Especialista explica como a China usa smartphones para espionar cristãos em suas casas

Um pregador cristão, Yang Xibo, da Igreja de Xunsiding, postou vídeos no Facebook, que mostram dezenas de funcionários do departamento de aplicação da lei de gestão urbana marchando em direção às estruturas restantes que não foram demolidas em junho.

Ao invadir um lar cristão, os funcionários não mostraram nenhum documento de autorização para sua ação. Quando uma mulher de 67 anos tentou detê-los, oficiais — alguns deles equipados com escudos de tropas de choque — a afastaram, como mostra o vídeo abaixo.

“Outros cristãos no local que tentavam intervir foram bloqueados nas escadas e impedidos de avançar. Quando questionaram os oficiais por que eles entraram ilegalmente em propriedades particulares e demoliram as residências das pessoas, não tiveram resposta”, afirmou a ICC.

“Para o governo chinês perseguir freneticamente os cristãos, mesmo depois que suas igrejas foram fechadas, mostra como Pequim não tem interesse em respeitar a liberdade religiosa”, disse Gina Goh, gerente regional da ICC para o Sudeste Asiático. “O que o Partido Comunista Chinês não entende é: que o cristianismo não será exterminado apenas porque os prédios não se sustentam. Quanto mais o governo corroer os direitos dos cidadãos chineses, mais inimigos ele cria em seus territórios. Um dia, essa panela de pressão explodirá, ameaçando o regime do Partido Comunista Chinês, final exato do qual ele tem medo".

Histórico

Em 11 de junho, mais de 100 oficiais de quatro agências diferentes demoliram partes do interior das cinco salas da Igreja de Xingguang, removendo painéis e divisórias, de acordo com a Christian Solidarity Worldwide, sediada no Reino Unido.

As autoridades também removeram as propriedades da igreja, incluindo móveis e materiais educacionais, da seção escolar da igreja.

O momento da destruição coincidiu com o relatório anual do Departamento de Estado sobre liberdade religiosa internacional, incluindo uma longa seção sobre liberdade de religião ou violações de crenças pelo governo chinês.

A Igreja de Xingguang foi invadida anteriormente em 19 de abril, seguida por outra violenta operação em 3 de maio, na qual muitos membros ficaram feridos e alguns foram detidos brevemente, de acordo com o ICC, que afirmou que o pregador da igreja, Titus Yu, recentemente registrou uma queixa em conformidade com a decisão da Lei de Supervisão da China contra três funcionários por abuso de poder e intrusão ilegal de bens pessoais. O pregador não recebeu resposta.

A revista ‘Bitter Winter’, que cobre questões de direitos humanos na China, informou em junho que as autoridades removeram cruzes de mais de 250 igrejas sancionadas pelo estado na província de Anhui entre janeiro e abril.

Em seu relatório anual de 2020, a Comissão Americana de Liberdade Religiosa Internacional observou que as autoridades não apenas removeram cruzes das igrejas em todo o país, mas também proibiram jovens de 18 anos ou menos de participar de cultos religiosos.

Na lista mundial da Portas Abertas para 2020, a China é classificada como um dos piores países do mundo quando se trata de perseguição a cristãos. A organização observa que todas as igrejas são vistas como uma ameaça se elas se tornarem grandes demais ou receberem convidados estrangeiros.

(Com Guiame)