Destaque

Com aval de Bolsonaro, Centrão age para impedir adiamento das eleições

Redação JM Notícia

O Senado aprovou nesta terça-feira (23) a PEC que permite o adiamento das eleições municipais para o mês de novembro. O projeto foi remetido para a Câmara dos Deputados onde pode ser reprovado por conta da pressão feita por prefeitos.

De acordo com o jornal Correio Brasiliense, o Centrão já está se movimentando para barrar a proposta, dizendo que contam com o aval do presidente Jair Bolsonaro.

O texto que passou pelo Senado mudaria o primeiro turno para 15 de novembro e o segundo turno para o dia 29 do mesmo mês.

Saiba + Senado aprova em primeiro turno pelo adiamento das eleições municipais

Os deputados contrários ao texto dizem que a mudança não irá afetar na questão da pandemia do novo coronavírus.

Os prefeitos acreditam que o adiamento favorecerá seus adversários, dando tempo aos rivais para se organizarem.

Saiba + Presidente do TSE sugere adiar eleições e estender horário de votação

Os partidos contrários à mudança são Progressistas, Republicanos, o PL, parte do DEM. Do chamado "Centrão", apenas o MDB vai liberar sua bancada para votar como quiser, sem orientar voto.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já admitiu dificuldades para o adiamento das eleições dizendo que "não há consenso" entre os deputados para aprovarem a PEC. "A única certeza é que a gente precisa dialogar mais sobre isso", disse ele.