Tocantins

Coren/TO defende prioridade na vacinação aos profissionais da saúde

O início da vacinação no Brasil é um marco histórico para a Ciência e para a Enfermagem. A imunização da enfermeira Mônica trouxe esperança aos milhares de profissionais da saúde que atuam no Brasil.

A primeira pessoa a ser vacinada no Brasil foi a enfermeira Mônica Calazans, de 54 anos, que atua na linha de frente da Covid-19 no Instituto de Infectologia Emília Ribas. A profissional recebeu neste domingo (17) a primeira dose da vacina Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a biofarmacêutica chinesa Sinovac, e aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O início da vacinação no Brasil é um marco histórico para a Ciência e para a Enfermagem. A imunização da enfermeira Mônica trouxe esperança aos milhares de profissionais da saúde que atuam no Brasil.

“Me senti representada, principalmente pela escolha de uma profissional da Enfermagem, mulher e negra, ser a primeira a receber a dose. É a esperança que o Brasil precisava. Estamos diante de um fato histórico”, disse a presidente do Coren/TO, Emília Maria Miranda.

Além da representatividade, a presidente falou ainda sobre a imunização dos profissionais do Tocantins. “Pedimos que o governo do Tocantins siga os mesmos passos que o governo de São Paulo, em garantir a rápida imunização para estes profissionais que estão diariamente na luta contra a Covid-19. Esse seria o reconhecimento pelo trabalho prestados por estes profissionais” enfatizou a presidente do Coren/TO, Emília Maria Miranda.

Na manhã desta segunda-feira (18) o governador do Tocantins, Mauro Carlesse, esteve em São Paulo para buscar as primeiras doses da vacina CoronaVac destinadas ao estado. Segundo ele, a vacinação do Tocantins começa ainda nesta segunda. O Tocantins receberá, neste primeiro momento, apenas 29.480 doses. “Sabemos que o número de doses da vacina é abaixo do esperado. Queremos que imunização chegue para toda a população tocantinense e defendemos a imunização prioritária dos profissionais da saúde. São estes profissionais que estão na linha de frente no combate à doença”, explicou Emília.