Covid-19: Pastor é preso por orar por pessoas infectadas

Um pastor que vive no Nepal pode ser condenado a seis anos de prisão depois de sugerir nas mídias sociais que a oração pode trazer a cura do COVID-19.

A agência Morning Star News relatou que o pastor Keshab Acharya, de 32 anos, foi preso na segunda-feira da semana passada, em sua casa em Pokhara, província de Gandaki Pradesh, depois que um vídeo apareceu nas redes sociais, no qual ele repreendia o coronavírus, enquanto pregava em sua igreja.

A esposa do pastor, Junu Acharya, disse à agência de notícias que o marido recebeu um telefonema de um homem pedindo oração por sua esposa doente por volta das 20h, disse ela.

“A pessoa queria vir à nossa casa para orar, e meu marido concordou, forneceu o endereço e pediu que viesse para que pudéssemos orar por sua esposa”, ela lembrou.

Enquanto o pastor e a esposa esperavam pelas pessoas que pediram oração, quatro policiais - três homens e uma mulher - chegaram à sua porta.

"Eles nos disseram que também eram cristãos e precisavam de orações, e que haviam ligado para o pastor Acharya e estavam ali para orar", disse ela.

Depois que os policiais entraram na casa do pastor, eles o cercaram e disseram que o estavam prendendo por um vídeo circulando nas mídias sociais, em que ele orava e repreendia o novo coronavírus.

"Meu marido disse: "Se havia alguma acusação contra mim, você poderia me avisar diretamente, e eu teria ido à delegacia sozinho", porque nosso filho de dois anos e eu estávamos em pânico", disse Junu Acharya. "Liguei imediatamente para dois irmãos da nossa igreja que podem dirigir e os pedi para seguir o veículo da polícia. Eu estava com medo de que ele fosse espancado pela polícia ou levado para outro lugar. Eu queria pelo menos garantir que eles o levariam à delegacia".

O site da polícia do Nepal afirma que os policiais de Kaski prenderam o pastor Acharya por induzir o público ao erro, quando postou "informações falsas" nas mídias sociais sobre o novo coronavírus.

A polícia citou um vídeo mostrando o pastor Acharya chamando o coronavírus de espírito maligno e repreendendo-o em nome de Cristo.

De acordo com o Himalayan Times, o pastor teria dito no vídeo que o COVID-19 não poderia fazer nada com os seguidores de Jesus Cristo e lhes disse que o vírus "não podia nem tocar os seguidores de Jesus".

O Himalayan Times disse que o pastor Acharya pregou em uma área de posseiros muito populosa, mas o relatório da polícia cita apenas seus comentários nas mídias sociais, de acordo com o Morning Star News.

Contexto

O pastor Mukunda Sharma, secretário executivo da Sociedade Cristã do Nepal, disse que pediu ao superintendente distrital de polícia, Dan Bahadur Karki, que aja de maneira justa e não envolva o pastor Acharya em nenhuma acusação criminal.

"Eu disse ao Sr. Kargi que a polícia não pode processar o pastor por exercer sua fé, e que é uma violação grave dos direitos humanos, e ele me garantiu que o pastor foi preso sob custódia apenas por um inquérito", disse Sharma ao Morning. Star News.

Karki disse ao Himalayan Times que o pastor Acharya estava sob custódia da polícia e que estavam em andamento os preparativos para agir contra ele. A polícia disse que o pastor poderia ser enviado para a prisão por seis meses.

C.B. Gahatraj, presidente da Federação de Cristãos Nacionais do Nepal, disse que a prisão do líder cristão nepalês é inaceitável e contra a Constituição do Nepal, já que nada no vídeo indica qualquer violação da lei.

"O mundo inteiro está sendo atacado pelo COVID-19 e, durante esse período, pessoas de todas as religiões estão orando para que pare", disse Gahatraj ao Morning Star News. "Por esse ato, a harmonia religiosa está em perigo durante um período em que as pessoas já estão em caos".

"Está claro que foi um sermão pregado pelo pastor Acharya em sua respectiva congregação, e nossa federação afirma que essa prática de orar não está em conflito com as leis do Nepal", disse Gahatraj.

Na última terça-feira (22), o Nepal iniciou um bloqueio de uma semana para conter a propagação do novo coronavírus, depois que as autoridades de saúde relataram um segundo caso de coronavírus no país, de 30 milhões.

O país relatou seu primeiro caso em janeiro - um nepalês que estudava em Wuhan, no centro do surto de vírus na China, segundo o Jakarta Post.

O Nepal está classificado em 32º na lista de observação mundial da Portas Abertas (EUA) em 2020 dos países onde é mais difícil ser cristão. Os cristãos representam apenas 3% da população do país predominantemente hindu.

Em setembro, extremistas hindus ameaçaram matar um pastor no Nepal após um post nas redes sociais mostrando uma entrevista restrita à plateia, que ele deu compartilhando seu testemunho de conversão a Cristo.

"É a primeira vez que um cristão [no Nepal] é penalizado por compartilhar [na mídia social e em outras mídias] sobre sua religião passada e introdução ao cristianismo", disse Ganesh Sreshta ao advogado aliado do grupo de defesa jurídica "Alliance Defending Freedom" no Nepal, Ganesh Sreshta. "Está se tornando uma questão de alto nível, com grupos fundamentalistas hindus ligados a líderes políticos de destaque que se interessam por este vídeo".

(Com Guiame)