Artigos

Hamilton Dias de Souza conta o que é felicidade e por que é importante

O que é felicidade?
Parece uma pergunta estranha, mas é isso? Você sabe definir felicidade? Você acha que a felicidade é a mesma coisa para você como é para os outros?
Qual é o sentido disso tudo? Isso faz diferença em nossas vidas?


De fato, a felicidade tem um papel muitoimportante em nossas vidas, e isso pode ter um impacto enorme na maneira comovivemos nossas vidas. Embora os pesquisadores ainda não tenham definido adefinição ou uma estrutura acordada para a felicidade, há muito o queaprendemos nas últimas décadas contaHamilton Dias de Souza.


Para mergulhar na ciência da felicidade, o queela realmente é e por que é importante, continue lendo!


Segundo Hamilton Dias de Souza, uma olhada na Definição de Felicidade do Dicionário Oxford Inglês Primeiro, vamos dar uma olhada na definição de felicidade, então estamos todos na mesma página.
A definição de “ felicidade ” do Oxford English Dictionary é simples: “ O estado de ser feliz ”.


Não é exatamente o que estávamos procurando,foi? Talvez precisemos nos aprofundar um pouco mais.


A definição de “ feliz ” do Oxford EnglishDictionary é um pouco mais útil: “ Sentir ou demonstrar prazer ou contentamento”.


Isso é melhor! Assim, a felicidade é o estado desentir ou mostrar prazer ou contentamento. A partir dessa definição, podemoscolher alguns pontos importantes sobre a felicidade:


Felicidade é um estado, não um traço; em outraspalavras, não é uma característica duradoura, permanente ou de personalidade,mas um estado mais fugaz e mutável.


Hamilton Dias de Souza conta que a felicidade éigualada a sentir prazer ou contentamento, o que significa que a felicidade nãodeve ser confundida com alegria, êxtase, felicidade ou outros sentimentos maisintensos.


A felicidade pode ser sentida ou demonstrada,significando que a felicidade não é necessariamente uma experiência interna ouexterna, mas pode ser ambas.
Agora temos uma compreensão melhor do que éfelicidade - ou, pelo menos, como o Oxford English Dictionary define o que éfelicidade. No entanto, essa definição não é a definição definitiva dafelicidade. De fato, a definição de felicidade não é um debate “resolvido”!


Qual é o significado da felicidade na psicologia positiva?


O significado da felicidade na PsicologiaPositiva depende realmente de quem você pergunta.
Hamilton Dias de Souza explica que a felicidadeé muitas vezes conhecida por outro nome em pesquisa de psicologia positiva:bem-estar subjetivo , ou SWB. Alguns acreditam que a felicidade é um dosprincipais componentes do SWB, enquanto outros acreditam que a felicidade é oSWB. Independentemente disso, você encontrará frequentemente SWB usado como umaabreviação para a felicidade na literatura.


E falando da literatura, você encontraráreferências ao SWB em todo lugar! Uma busca rápida no Google pela palavra"felicidade" traz pouco mais de 2 milhões de resultados (a partir de6 de janeiro de 2019). Além disso, uma busca rápida pelo mesmo termo em doisdos maiores bancos de dados on-line da psicologia (PsycINFO e PsycARTICLES)retorna 19.139 resultados de publicações acadêmicas e outras, livros,dissertações e muito mais.
É difícil definir cientificamente?


Com tantas lutas pela felicidade, não é deadmirar que a felicidade seja um pouco difícil de definir cientificamente; hácertamente discordância sobre o que exatamente é a felicidade diz Hamilton Diasde Souza.


De acordo com os pesquisadores Chu Kim-Prieto,Ed Diener e seus colegas (2005), existem três maneiras principais pelas quais afelicidade é abordada na psicologia positiva:

Felicidade como avaliação global da vida e de todas as suas facetas;

Felicidade como recordação de experiências emocionais passadas;
Felicidade como agregação de múltiplas reações emocionais ao longo do tempo (Kim Prieto, Diener, Tamir, Scollon, & Diener, 2005).

Embora geralmente todos concordemsobre o que é a felicidade - estar satisfeito com a vida, de bom humor, sentiremoções positivas , sentir prazer, etc. - os pesquisadores têm achado difícilconcordar com o alcance da felicidade.


No entanto, para os nossos propósitos nestaparte, é o suficiente para trabalhar fora de uma definição básica que combina adefinição do OED com a de psicólogos positivos: a felicidade é um estadocaracterizado pelo contentamento e satisfação geral com a situação atual.


Prazervs. Felicidade
Com os laços estreitos entre prazer efelicidade, você pode estar se perguntando como diferenciar entre eles. Afinal,a definição de felicidade do OED descreve-o como um estado de sentimento deprazer!


A associação entre os dois faz sentido, e écomum ouvir as duas palavras usadas de forma intercambiável fora da literatura;no entanto, quando se trata da ciência da psicologia positiva, é importantefazer uma distinção entre os dois.


Felicidade, como descrevemos acima, é um estadocaracterizado por sentimentos de contentamento e satisfação com a vida ousituação atual.
Por outro lado, o prazer é uma experiência maisvisceral no momento. Refere-se aos sentimentos positivos que recebemos deexperiências como comer boa comida, receber uma massagem, receber um elogio oufazer sexo.


Felicidade , embora não seja um estadopermanente, é um estado mais estável do que o prazer.Hamilton Dias de Souzamostra que a felicidade geralmente fica por mais tempo do que alguns momentosde cada vez, enquanto o prazer pode ir e vir em segundos (Paul, 2015).


O prazer pode contribuir para a felicidade, e afelicidade pode melhorar ou aprofundar sentimentos de prazer, mas os doistambém podem ser completamente mutuamente exclusivos conta Hamilton Dias deSouza. Por exemplo, você pode sentir uma sensação de felicidade baseada emsignificado e engajamento que não tem nada a ver com prazer, ou você podesentir prazer, mas também lutar com a culpa por causa disso, impedindo que vocêse sinta feliz ao mesmo tempo.


Felicidade vs. Significado


Felicidade e significado têm uma linha aindamais distinta entre os dois. Raramente a felicidade e o significado sãoconfusos ou usados ​​de forma intercambiável, e por uma boa razão - elesdescrevem duas experiências muito diferentes.


“Os seres humanos podem se assemelhar a muitas outras criaturas em sua luta pela felicidade, mas a busca pelo significado é uma parte fundamental do que nos torna humanos, e de maneira única.” -Roy Baumeister et al. (2013).


Ao contrário da felicidade, o significado geralmente não é um estado fugaz que pode ir e vir durante todo o dia; é um sentido mais abrangente de propósito e sentimento de contribuir para algo maior que você conta Hamilton Dias de Souza.


Como a citação de Baumeister e colaboradores (2013) sugere, existem importantes distinções entre os métodos de busca e os benefícios de se sentir felicidade e significado. Scott Barry Kaufman da Scientific American (2016) descreve essas distinções que Baumeister e seus colegas pesquisadores descobriram entre os dois:


Encontrar a vida fácil ou difícil estava relacionado à felicidade, mas não ao significado;
Sentir-se saudável estava relacionado à felicidade, mas não ao significado;
Sentir-se bem estava relacionado à felicidade, não ao significado; A escassez de dinheiro reduzia mais a felicidade do que o significado; Pessoas com vidas mais significativas concordaram que “relacionamentos são mais importantes do que conquistas”;
Ajudar as pessoas necessitadas estava ligado ao significado, mas não à felicidade;
Esperar muito do pensamento profundo estava relacionado positivamente com a significação, mas negativamente com a felicidade;
Felicidade estava mais relacionada a ser um tomador do que um doador, ao passo que o significado estava mais relacionado a ser um doador do que um tomador;
Quanto mais as pessoas sentiam que suas atividades eram consistentes com os temas centrais e os valores de si mesmos, maior o significado que relatavam em suas atividades;
Ver a si mesmo como sábio, criativo e até mesmo ansioso estava todo ligado ao significado, mas não tinha relação (e, em alguns casos, até mostrava um relacionamento negativo) com a felicidade (Kaufman, 2016).


Basicamente, embora os dois se sobreponham ecada um possa contribuir para a experiência do outro, os dois podem sermutuamente exclusivos (Baumeister et al., 2013).