Gospel

Igrejas controlam nove dos 50 veículos mais influentes do país

Da Redação JM Notícia

Uma pesquisa “Media Ownership Monitor Brasil”, desenvolvida em parceria pelas ONGs Repórteres sem Fronteiras e Intervozes mostra que dos 50 veículos de maior audiência ou influência no Brasil, nove são controlados por lideranças cristãs.

Grupos católicos, evangélicos e adventistas controlam 11 redes de TV aberta e por assinatura, 17 jornais diários e revistas semanais, 10 portais e 12 redes de rádio, segundo este levantamento.

A Igreja Universal do Reino de Deus é a denominação com maior controle sobre veículos de comunicação, sendo responsável pela RecordTV, pela RecordNews, pelo portal R7 e pelo jornal Correio do Povo. Além da Record, a Universal detém a rede de rádios Aleluia.

O jornal semanal Folha Universal, também controlado pela Igreja Universal, tem tiragem de 1,8 milhão de exemplares, volume muito superior ao de jornais diários, como a Folha de São Paulo, cuja circulação diária é de 300 mil exemplares.

A Igreja Católica detém o controle de uma emissora de TV, a Rede Vida, e uma de rádio, a Rede Católica de Rádio (RCR). A emissora de TV está no ar desde 1995 e a de rádio desde 1997, com gestão do Instituto Brasileiro de Comunicação Cristã (Inbrac).

Outra emissora influente controlada por uma igreja é a Rede Gospel de Televisão, da Igreja Renascer em Cristo. A Igreja Adventista do Sétimo Dia controla a TV e a rádio Novo Tempo desde 1989.

Justiça quer proibir emissoras religiosas

Para a procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, o controle de emissoras por grupos religiosos fere a determinação do Supremo Tribunal Federal (STF) de proibir, em 2002, rádios comunitárias de fazerem proselitismo religioso.

Vários processos tentam impedir a locação de grades das emissoras para igrejas evangélicas, declarando que por serem concessões públicas, deixar as igrejas controlarem esses horários fere a laicidade do Estado, pois as demais religiões não são "contempladas" com esses horários. A falta de uma lei específica impede que qualquer atitude seja tomada em relação a este assunto. Com informações Congresso em Foco