Inglaterra: Escolas são obrigadas a ensinar sobre casamento gay a crianças; pastor comenta

Mundo

Redação JM Notícia

O pastor Carlos Roberto, da Assembleia de Deus de Cubatão (SP) comentou sobre uma notícia a respeito de uma obrigação na Inglaterra que determina o ensino sobre casamento gay a crianças.

Desde setembro as escolas daquele país passaram a adotar uma grade curricular que inclui a cultura LGBT e ideologia de gênero para alunos do segundo grau.

Já as crianças do primeiro grau serão ensinadas sobre diferentes famílias, considerando também o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Saiba + Papa Francisco defende união civil entre homossexuais

Segundo uma reportagem da CBN News, a inclusão desses temas nas salas de aula visa o "bem-estar mental" dos alunos e pretende torná-los "seguros e saudáveis" com sua sexualidade.

"É por isso que tornamos a Educação para Relacionamentos obrigatória em todas as escolas primárias na Inglaterra e Relações e Educação Sexual obrigatória em todas as escolas secundárias, além de tornar a Educação para a Saúde obrigatória em todas as escolas financiadas pelo Estado", diz a política.

Mas para o pastor assembleiano, a nova política escolar da Grã-Bretanha está de acordo com a agenda globalista. "Essa é a triste tendência natural do mundo relativista que vivemos, que cumpre passo a passo uma agenda liberalizante e globalista", escreveu ele em seu site.

Saiba + Juíza condena evangélicos por não aceitarem casamento gay em seu espaço de eventos

O pastor Carlos Roberto entende também que no Brasil só não temos uma lei semelhante por conta dos conservadores e da Igreja que estão se levantando como resistência para essas políticas progressistas.

"No Brasil, a coisa ainda não debandou por completo, por conta da resistência dos conservadores e da Igreja de maneira geral, e é o que devemos continuar fazendo, orando, ensinando nossas crianças e jovens, mesmo com as dificuldades que se apresentam, e também votando de maneira correta naqueles que, além da sua capacidade para os cargos que pleiteiam, também estejam alinhados com nossa forma de pensar", disse.