Maioria dos argentinos é a favor do aborto e quer a Igreja longe dessa discussão

Da Redação JM Notícia

Segundo uma pesquisa divulgada neste domingo (18), 59% dos argentinos se manifestou a favor do aborto. A pesquisa se dá diante de uma discussão cada vez mais atual no país vizinho que tem uma lei sobre a interrupção da gravidez sendo analisada pelo Congresso.

Realizada pela Anistia Internacional Argentina e pelo Centro de Estudos de Estado e Sociedade (Cedes), a pesquisa declara ainda que 63% dos argentinos considera que a Igreja Católica não deve se manifestar sobre o assunto.

Apenas 23% acredita que sim, a Igreja deve ter influência neste debate. O estudo é divulgado um dia depois de a Conferência Episcopal Argentina divulgar uma carta assinada pelo Papa Francisco sobre o assunto.

No texto, o religioso pede para que os argentinos se manifestem contra a lei, defendendo a vida. "Peço por todos vocês para que sejam canais do bem e da beleza, para que possam fazer sua contribuição na defesa da vida e da justiça, para que semeiem a paz e a fraternidade, para que melhorem o mundo com seu trabalho, para que cuidem dos mais fracos e compartilhem de mãos cheias tudo o Deus lhe deu", declarou o papa que é argentino.

A diretora-executiva da Anistia Internacional Argentina, Mariela Belski, comentou a pesquisa dizendo que a população argentina está sim prepara para debater o assunto. "Muito se falou sobre se a sociedade está ou não preparada para debater sobre o aborto. As opiniões são contundentes: para a população é um tema importante e inclusive a maioria concorda com a posição da descriminalização", declarou.

A fala da pesquisadora está de acordo com os 70% dos entrevistados que declararam que é importante sim o Congresso debater e decidir sobre o tema.