Pastor alerta cristãos sobre eleições: "não quero ver a igreja ainda mais dividida"

O autor e pastor americano David Platt ganhou as manchetes nacionais em junho de 2019, quando orou pelo presidente Donald Trump no palco principal da Igreja Bíblica McLean.

A oração, que veio depois que Trump fez uma visita inesperada à congregação da área de DC, provocou fortes reações das pessoas nas redes sociais, bem como dentro da própria McLean.

As consequências da decisão de orar sobre o polarizador Trump inspirou Platt a escrever e lançar um novo livro, intitulado Antes de Votar: Sete Perguntas que Todo Cristão Deve Fazer .

Lançado no mês passado, Platt escreveu na introdução do livro que se sentiu “compelido a escrever este pequeno livro quando nos aproximamos de uma eleição presidencial em nosso país”.

“Não quero ver a igreja mais dividida ou o nome de Cristo mais difamado. Em vez disso, desejo ver uma igreja unida que exalte o nome de Cristo neste clima político tóxico ”, explicou ele.

“Minha esperança é fomentar um afeto mais profundo por Cristo e, ao mesmo tempo, promover conversas mais saudáveis ​​entre os cristãos ao participarmos de uma eleição presidencial.”

Entre as sete perguntas que Platt faz no livro estão "Deus me chama para votar?" “Quem tem meu coração?” “O que meu vizinho precisa?” e “Como pesar os problemas?”

“No final, o que é mais importante, e o que defendo definitivamente com base na Palavra de Deus, é a compreensão de que a forma como usamos nosso voto é uma questão de fidelidade a Deus”, escreveu Platt.

“Pois nosso voto é um privilégio e uma responsabilidade únicos que Deus nos confiou por sua graça, e Deus nos chama a usar todos os meios de graça que ele nos concede para amá-lo acima de tudo e amar nosso próximo como a nós mesmos.”

Confira trechos da entrevista dada ao CP:

  • Como nenhum partido político ou candidato tem o monopólio do que é bom e correto, e todo partido político e candidato demonstra evidência de queda, acredito que não é saudável para a igreja se alinhar com um partido político ou candidato. E vejo evidências disso em ambos os lados do corredor da igreja na América. Se não tomarmos cuidado, podemos facilmente nos encontrar apoiando cegamente ou habitualmente apoiando certos candidatos ou partidos sem avaliar biblicamente o que eles estão dizendo ou defendendo. E podemos hesitar em responsabilizar um candidato ou partido quando o que estão dizendo ou fazendo não está de acordo com as Escrituras.

  • Por natureza, as campanhas políticas são projetadas para apelar às preferências pessoais dos eleitores. Ambos os partidos atraem eleitores em potencial com a forma como protegerão nossos direitos, promoverão oportunidades para nós e nos proporcionarão uma vida melhor. Desta forma, a retórica vinda de ambos os lados do corredor pode sutilmente, mas significativamente, contradizer o chamado de Jesus, que nos acena para morrer para nós mesmos, abrir mão de nossos direitos e amar nosso próximo como amamos a nós mesmos.

  • Quero deixar claro que questões como racismo, imigração e redução da pobreza certamente se relacionam com o evangelho. O evangelho deixa claro que Deus fez todas as pessoas igualmente à sua imagem, então racismo é errado. E o fruto de nossa salvação pela graça de Deus no evangelho inclui cuidar dos imigrantes e dos pobres em nossas vidas. O problema é quando chamamos isso de “questões do evangelho” de tal forma que sugerimos que políticas específicas que não são explicitadas nas Escrituras devem ser adotadas por todos que crêem no evangelho. Ou quando comparamos uma questão como o alívio da pobreza à essência do evangelho, transformando o evangelho em uma mensagem de ação social em vez de uma mensagem de salvação divina. Portanto, queremos absolutamente assumir posições políticas e fazer cálculos políticos que sejam informados por fundamentos do evangelho. Precisamos apenas ter o cuidado de evitar o uso de linguagem que desnecessária, inútil ou antibíblica vincule o evangelho a uma posição política ou cálculo. Nossa base nunca são teorias seculares (incluindo, mas não se limitando a, teoria racial crítica) ou idéias (incluindo idéias mundanas sobre justiça social). Em vez disso, filtramos tudo neste mundo pelas lentes da Palavra de Deus (que tem muito a dizer, aliás, sobre a justiça e a dignidade de todas as pessoas feitas à imagem de Deus), zelosamente guardamos a centralidade, supremacia e integridade de o evangelho que é o único que tem poder para salvar e transformar a vida das pessoas, e pela Sua graça no poder do Seu Espírito trabalhamos para obedecer a Palavra de Deus e proclamar o evangelho em tudo o que fazemos.

  • Aborto desafia a autoridade soberana de Deus como Criador ao matar uma vida feita à Sua imagem. E à luz da prevalência do aborto (e das leis que permitem ou até mesmo promovem o aborto) nos Estados Unidos, bem como em outros países ao redor do mundo, o aborto é um holocausto moderno que representa um perigo claro e presente para milhões de vidas todos os anos. Eu peso muito essa questão quando estou fazendo cálculos políticos. E mais do que meramente em meus cálculos políticos, eu quero viver minha vida e levar minha família e igreja a cuidar dos filhos no útero, bem como das mães que os carregam, e fazer tudo o que pudermos para servir mães, pais e seus filhos por meio de assistência à gravidez, assistência social, adoção e outros meios.

  • Nossa unidade é em torno de Jesus e Sua Palavra. Portanto, acredito que é um sinal de saúde neste mundo decaído ter relacionamentos profundos na igreja com os seguidores de Jesus cujos cálculos e convicções políticas podem diferir dos nossos (assumindo que esses cálculos e convicções políticas tenham fundamentos bíblicos). Do contrário, corremos o risco de nos enganarmos pensando que temos unidade com outros cristãos em torno do evangelho e da Palavra de Deus quando, na realidade, nossa unidade gira em torno de uma ideologia política com Jesus ao lado. É por isso que, neste livro, mergulho em Romanos 14-15 para mostrar como Deus instrui a igreja a operar quando os cristãos discordam uns dos outros em um mundo decaído.