Polícia Civil prende homem suspeito de repassar moeda falsa em Palmas

Redação JM Notícia

A Polícia Civil do Tocantins, por intermédio da 5ª Delegacia de Polícia de Palmas, coordenada pelo delegado Guilherme Rocha Martins, deteve na tarde desta quinta-feira, 22, um homem suspeito de praticar o crime de moeda falsa.

De acordo com a autoridade policial, a detenção se deu após a vítima (idoso), comparecer na sede da 5ª DPC, em Taquaralto, informando que havia recebido várias cédulas falsas do suspeito em questão. Diante do relato da vítima, os policiais civis iniciaram as diligências, localizaram o suspeito e trouxeram até a sede da 5ª DP. Na oportunidade, ao ser indagado pela autoridade policial, o detido confessou o repasse das cédulas, bem como informou ter recebido as mesmas pelos Correios.

Saiba + MPE e Polícia Civil flagram uso de retroescavadeira do Município de Augustinópolis em propriedade particular

Após análise detalhada dos fatos, o delegado Guilherme Rocha verificou que o crime em tela é de competência da Polícia Federal, determinado assim, aos Agentes de Polícia da 5ª DP a apresentação do indivíduo detido à Superintendência da Polícia Federal, onde o autor foi autuado em flagrante pelo crime de moeda falsa e conduzido a Casa de Prisão Provisória de Palmas, onde ficará à disposição do Poder Judiciário.

Saiba + Capitidra: Polícia Civil apreende drogas na região sul da Capital; duas pessoas foram presas

O delegado Guilherme Rocha faz um alerta a toda a população com relação ao recebimento de cédulas que podem ser falsas. “É importante que o cidadão fique alerta e ao receber dinheiro em espécie, verifique a condição das cédulas recebidas fazendo um exame detalhado das mesmas, observando por exemplo, a qualidade do papel moeda, bem como se as mesmas possuem os itens de segurança, tais como a marca da água, visto que golpistas se aproveitam de distrações de vítimas, tanto comerciantes como demais cidadãos para introduzir moeda falsa em circulação. Ressaltou que isso constitui crime contra a fé pública, tipificado pelo Artigo 289 do Código Penal Brasileiro e pode resultar em uma pena de reclusão de três a doze anos, além de multa”, alerta o Delegado.