URGENTE|| Pastor Mauro Estival renuncia à presidência da OMEP: ‘ambiente de desunidade e enfrentamento’

Pastor Mauro Estival, líder da Igreja Videira em Palmas –TO renuncia à presidência da OMEP-TO
Destaque

O pastor Mauro Estival, líder da Igreja Videira em Palmas –TO, comunicou, em nota enviada a um grupo de pastores e líderes na tarde deste sábado (25), a sua renúncia à presidência da Ordem dos Ministros Evangélicos de Palmas (OMEP).

O comunicado foi feito com críticas ao atual ambiente vivido na liderança da entidade.

Estival explicou que deixa o cargo porque não tem “necessidades de me expor a esse ambiente de desunidade (“sic”) e enfrentamento”. O pastor afirmou ainda que não vive esse ambiente na igreja que pastoreia e não deseja isso na OMEP.

 “Como pastor na cidade sempre me posicionarei para defender a igreja como tenho feito diante de pastores de falam mal dela ou de governantes que tentar pará-la”, pontuou o pastor.

Estival disse que sobre o conselho representativo, formado para trabalhar junto à busca pelo reestabelecimento das atividades religiosas em Palmas, falará com eles para seja concluída essa “empreitada da abertura dos cultos”.

Ainda de acordo com o ex-líder da OMEP-TO, o caminho de um conselho é de representar as igrejas, e que estava se posicionando para resolver essas questões, se referindo possivelmente a não realização de cultos religiosos em Palmas –TO.

Ataques

Na nota, Estival deixa transparecer que estava sofrendo possíveis ataques sutis, mas, não afirmou de onde e como estariam vindo esses ataques.

Novo Líder da OMEP-TO

Quem assume a presidência da OMEP, no lugar de Estival, é o Bispo Vildo.

Ataques ao JM Notícia

Vale ressaltar que o JM Notícia foi alvo da fúria do pastor Mauro Estival nesta sexta-feira (24), afirmando que a matéria veiculada pelo JM Notícia era falsa, o que foi prontamente rebatida ponto a ponto pela assessoria jurídica deste site.  Posteriormente, um áudio do próprio pastor revelou que o que site tinha postado era verídico.

Leia Cinthia Ribeiro se reúne com líderes religiosos e proíbe a reabertura de cultos em Palmas.

Cultos religiosos não liberados em Palmas

Nesta semana, a prefeita Cinthia Ribeiro (PSDB) recebeu 12 líderes religiosos em seu gabinete para tratar da possível liberação de cultos religiosos em Palmas –TO, por parte do Poder Executivo Municipal.  Entre eles estava presente o pastor Mauro Estival, até então presidente da OMEP-TO.

No entanto, a prefeita Cinthia Ribeiro (PSDB) afirmou aos pastores que a possível liberação de cultos ficaria para ser analisado na próxima semana e que a demanda será submetida ao Centro de Operações em Emergências de Saúde e o Comitê de Crise da Prefeitura, que dará o aval final.

Em Palmas, cerca de 40% da população é evangélica.

É um áudio que o JM Notícia teve acesso, o ex-presidente da OMEP-TO, Mauro Estival, confirma as informações veiculadas pelo JM, e diz que a prefeita Cinthia Ribeiro estaria favorável à abertura da realização de cultos religiosos a partir do dia 1º de maio, ou seja, no presente momento a realização de cultos ainda continua proibida na Capital, conforme matéria divulgada nesta sexta-feira (24) pelo JM Notícia.

Pastores vão à Justiça para realizar cultos em Palmas –TO.

Com a negativa de realização de cultos religiosos em Palmas, representantes de igrejas e ministérios evangélicos de Palmas ingressaram na justiça com um Mandado de Segurança contra a prefeita Cinthia Ribeiro (PSDB) devido à proibição de realização de atividades religiosas de qualquer natureza com a presença de público.

O processo foi protocolado nesta quarta-feira (22) na Vara da Fazenda Pública da capital com pedido de urgência. As informações são do portal AF Notícias.

Os pastores argumentam que as atividades religiosas estão no rol de serviços essenciais, com base no Decreto Federal nº 10.282/2020, por serem “imprescindíveis para auxiliar a saúde mental e espiritual da população”.

Saiba + Vaza áudio do pastor Mauro Estival sobre reunião com a prefeita Cinthia Ribeiro

Saiba + Cinthia Ribeiro se reúne com líderes religiosos e proíbe a reabertura de cultos em Palmas.

Saiba + NOTA DE ESCLARECIMENTO ÀS ALEGAÇÕES LEVANTADAS PELO PRESIDENTE DO CONSELHO DE PASTORES DE PALMAS – OMEP

Confira na íntegra:

Amados irmãos, a graça e a paz.

Sou pastor a 20 anos em Palmas e tenho uma igreja muito abençoada que muito tem me orgulhado, e neste tempo de pandemia, muito mais.

Sempre que recusei a participar da OMEP por seus propósitos. Tentei participar algumas vezes, mas percebi que não era meu lugar.

Ano passado me posicionei com alguns irmãos para dar a minha contribuição, fato esse que estou até hoje. Mostrei a todos (todos que iam às reuniões) a agenda de reuniões do Conselho e tenho andado em cima disso.

Pelo que entendo o caminho de um conselho é de representar das igrejas principalmente quando a algo contra ela, e nisso temos nos posicionado para resolver e com certeza essa semana tudo será resolvido.

Chamamos alguns irmãos principalmente lideres de denominações, irmãos esses que nunca então havia participado no conselho de pastores. Foi uma alegria reunir com eles e travarmos essa batalha junto.

Mas como pastor, não tenho necessidades de me expor a esse ambiente de desunidade e enfrentamento. Não vivo isso no ambiente na minha igreja e não quero viver aqui. Tenho 14 pastores andando comigo em Palmas e 35 nos interiores do Tocantins, Sul do Pará e Oeste da Bahia e caminhamos harmoniosamente.

Creio que a OMEP deve voltar para aquele que se orgulha de como ela era e eu voltarei a minha postura que tinha antes. Como pastor na cidade sempre me posicionarei para defender a igreja como tenho feito diante de pastores de falam mal  dela ou de governantes que tentar pará-la.

Deixarei a liderança na mão do Bispo Vildo, que é um homem de Deus e acredito que outros autores possa ajudá-lo nessa empreitada.

Peço perdão a todos, pois não sou politicamente correto e não ter me calado diante de tantos ataques sutis. Ao colega Coraiola não posso voltar atrás, pois sempre sou do lado da verdade, mas peço perdão por o expor diante do grupo.  Peço perdão a todos por um ambiente tão desagradável e inconveniente.

Esse grupo foi criado por mim e permanecerá mesmo porque dezenas de colegas são administrados deles.

Sobre o conselho representativo, estarei falando com eles para terminarmos essa empreitada da abertura dos cultos e assim que o fizermos finda também o propósito dele.

A todos meus sinceros desejos de crescimento e abundância da parte do nosso bom pai. Terminou meu breve tempo à frente da OMEP, acredite, com muita alegria!