Conecte-se conosco

Opinião

O STF e sua pretensão de ser gestor público

Apenas nos últimos dias o Supremo Tribunal Federal protagonizou duas dessas situações – uma, com votação em plenário, e outra, por meio de decisão monocrática.

Publicado

em

Entre os diversos tipos de intromissão do Poder Judiciário nas atribuições dos demais poderes estão os casos em que magistrados se colocam no papel de elaboradores de políticas públicas, tomando para si decisões que são do âmbito do Poder Executivo. Apenas nos últimos dias o Supremo Tribunal Federal protagonizou duas dessas situações – uma, com votação em plenário, e outra, por meio de decisão monocrática.

Na segunda-feira, a corte decidiu, por 7 votos a 4, obrigar o governo federal a estabelecer um valor para um programa de renda básica universal, em resposta a um pedido da Defensoria Pública da União. O que estava em jogo era a regulamentação, jamais ocorrida, de uma lei aprovada em 2004 e que é mais um exemplo perfeito da crença da classe política na geração espontânea de dinheiro público. A Lei 10.835/04 instituía “a renda básica de cidadania, que se constituirá no direito de todos os brasileiros residentes no país e estrangeiros residentes há pelo menos cinco anos no Brasil, não importando sua condição socioeconômica, receberem, anualmente, um benefício monetário”.

Nenhum governo, desde 2004, regulamentou a renda básica. Apenas os ministros do Supremo não enxergaram a impossibilidade de colocá-la em prática e abraçaram o terraplanismo orçamentário com sua decisão

À parte o contrassenso de distribuir dinheiro público até mesmo a quem não tem a menor necessidade dele, a descrição do benefício e das condições em que ele deve ser concedido revelam a completa impossibilidade de colocá-lo em prática: o valor teria de ser “suficiente para atender às despesas mínimas de cada pessoa com alimentação, educação e saúde”, mas seu pagamento precisaria levar em conta “as possibilidades orçamentárias” e a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Em resumo, a lei determina o impossível, e não à toa ela permaneceu sem regulamentação por uma década e meia, com governos de todos os lados do espectro ideológico. Apenas os ministros do Supremo, aparentemente, não enxergaram essa obviedade, abraçando o terraplanismo orçamentário segundo o qual sempre há dinheiro para tudo.

Benefícios financeiros aos mais necessitados são uma política defendida inclusive por pensadores liberais, como Milton Friedman, e não há como questionar a necessidade de apoio especialmente aos mais vulneráveis, os tão miseráveis que não têm nem mesmo condições de se erguer por conta própria da situação em que vivem, e precisam da ajuda da sociedade ou, se preciso for, do Estado. E os sucessivos governantes brasileiros não têm sido omissos neste ponto, já que o Bolsa Família vem funcionando normalmente e pode muito bem ser visto como um programa de renda básica voltado aos mais pobres. Seu valor pode estar longe do ideal, e não se trata de um benefício incondicional como a renda básica aprovada em 2004, mas as condicionantes (como a frequência escolar dos filhos) são perfeitamente razoáveis.

O atual governo, inclusive, tentou por meses, ainda que de maneira bastante atabalhoada, estabelecer um programa substituto, com benefício maior e incluindo mais brasileiros, mas ele simplesmente não coube no Orçamento – como, aliás, também não caberia a renda básica ora ordenada pelo Supremo, ainda que estabelecida de forma gradual, começando pelos mais pobres.

Leia mais em: https://www.gazetadopovo.com.br/

Publicidade

Últimas notícias

Brasil/Mundo7 horas atrás

Alexandre de Moraes revoga prisão do jornalista Oswaldo Eustáquio

Ministro afirma que detenção foi para evitar “agressões e ameaças contra a democracia” no 7 de setembro.

Brasil/Mundo8 horas atrás

Universidade holandesa está com inscrições abertas para cursos on-line gratuitos

Formações já estão disponíveis no site da instituição

Brasil/Mundo16 horas atrás

5 perguntas respondidas sobre a terceira dose das vacinas de Covid-19

A terceira dose já começou a ser aplicada no Brasil, idosos são os primeiros a receberem o reforço vacinal

Brasil/Mundo1 dia atrás

Workshop sobre meio ambiente e astronomia recebe inscrições até 22/09

GLOBE Brasil 2021 é realizado pela Agência Espacial Brasileira (AEB); confira como participar

Brasil/Mundo1 dia atrás

Ministério Zoe retorna aos lançamentos com a canção “Se dê mais uma chance”

A faixa chega nas plataformas nesta quarta-feira (22) em todas as plataformas digitais

Brasil/Mundo2 dias atrás

Caixa Econômica anuncia redução de juros para Crédito Imobiliário Poupança Caixa

Banco alcançou a marca de R$ 300 bilhões contratados na atual gestão e segue como o maior financiador da casa...

Brasil/Mundo2 dias atrás

“Big Mouth”: Grupo pró-família denuncia desenho da Netflix por abuso sexual infantil

Grupo pede que autoridades investiguem se o programa viola as leis contra pornografia infantil

Brasil/Mundo2 dias atrás

MG terá investimento de R$ 5,2 bilhões em projetos de energia solar e híbrida

Companhia alemã investirá o valor na construção de três usinas de energia limpa, sendo duas solares e uma de fonte...

Brasil/Mundo5 dias atrás

Hábitos que surgiram na pandemia e podem gerar sofrimentos psíquicos como ansiedade e depressão

Psicóloga e professora da UniAvan dá dicas para identificar quando um hábito se torna uma síndrome, como tratar e como...

Brasil/Mundo5 dias atrás

Instituto faz campanha para promover reconstrução facial gratuita para quem sofre com o rosto desfigurado

A parceria entre o Instituto Mais Identidade e a UNIP visa devolver a autoestima e a esperança dos pacientes