Conecte-se conosco

Brasil/Mundo

Para o TJ-TO, Estado agiu de forma legal ao transferir delegados que investigavam corrupção

Publicado

em

O pleno do Tribunal de Justiça do Tocantins decidiu que o governo do estado tem autonomia e agiu de forma legal ao fazer a transferência de delegados que investigavam corrupção no estado. As mudanças em questão aconteceram em novembro do ano passado. Na época o juiz da 1ª Vara da Fazenda e Registros Públicos de Palmas chegou dar uma liminar suspendendo as trocas, mas o presidente do Tribunal de Justiça autorizou as transferências logo depois.

Em votação de recurso no plenário virtual, o Tribunal de Justiça entendeu, por maioria, que o governo agiu dento das suas prerrogativas. O relator do processo foi o desembargador Helvécio de Brito Maia Neto.

“De fato, a manutenção da decisão proferida no processo originário implica embaraço desproporcional ao exercício de atividade administrativa pelo Estado do Tocantins […] e ao seu poder de auto-organização de seus procedimentos […]”, diz trecho do voto

Segundo o voto, pressupõe-se que todos os delegados tenham a mesma qualificação profissional e aptidão para o cargo e as mudanças não causariam qualquer prejuízo para as investigações. Além disso, o relator afirmou que o Ministério Público tem a função de acompanhar os inquéritos e apurar qualquer ilegalidade nas investigações.

“[…] não havendo motivos para que determinada autoridade permaneça à frente de uma certa unidade policial, uma vez que há presunção juris tantum de que o delegado designado para a nova função dará prosseguimento aos trabalhos desenvolvidos pelo seu predecessor”, disse.

O Sindicato dos Delegados informou que respeita a decisão do Tribunal de Justiça, mas buscará, em todas as instâncias, “o restabelecimento pleno do Estado de Direito e a afirmação dos valores republicanos, garantindo-se aos delegados de polícia o retorno as suas unidades e a continuidade ao efetivo combate à corrupção, não podendo prevalecer designações que representam, em última análise, verdadeiras remoções arbitrárias”.

(Com G1)

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Brasil/Mundo41 minutos atrás

Violência psicológica contra a mulher passa a ser crime no Brasil

O crime pode ocorrer por meio de ameaça, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, chantagem, ridicularização e outros

Brasil/Mundo1 hora atrás

Após protestos em todo Brasil pelo voto impresso auditável, TSE mira Bolsonaro e abre inquérito

Barroso rebateu as declarações do presidente Jair Bolsonaro, sem mencioná-lo, e voltou a garantir que o processo eletrônico é seguro. 

Brasil/Mundo17 horas atrás

ADENOM se prepara para realizar a 13ª Conferência de Avivamento e Missões em Novo México – Vila Velha

A Igreja fica na rua Rosa de Ouro, número 470- em frente a praça do bairro.

Brasil/Mundo20 horas atrás

Sisu 2021.2: inscrições começam nessa terça (03)

Programa disponibiliza vagas de graduação em universidades públicas

Brasil/Mundo1 dia atrás

Manifestação pelo voto impresso lota Avenida Paulista

O deputado federal Eduardo Bolsonaro esteve no evento e falou ssobre a perseguição política contra conservadores; Assista

Brasil/Mundo4 dias atrás

ANAJURE defende liberdade do colégio batista notificado por vídeo contra a ideologia de gênero

"O vídeo em questão, ainda que expresse discordância quanto às teorias de gênero, não estimula qualquer conduta discriminatória", diz a...

Brasil/Mundo4 dias atrás

Livro infantil enfrenta a ideologia de gênero: “Elefantes não são pássaros”

"O livro é uma repreensão absoluta à aceitação da transexualidade e ao número crescente de jovens que se identificam como...

Brasil/Mundo4 dias atrás

Cursos profissionalizantes são aliados na busca pelo emprego

Evento on-line e gratuito vai debater a educação profissionalizante

Brasil/Mundo5 dias atrás

Pandemia afetou o comportamento de responsáveis por crianças de até três anos em famílias de classe D

Isolamento e crise financeira trouxeram efeitos perversos da desigualdade nas classes mais baixas

Brasil/Mundo5 dias atrás

Bolsa Família pode ter reajuste de 50% ou mais, diz ministro

Valores passarão a ser pagos a partir de novembro