Conecte-se conosco
[the_ad id="107359"]

Mundo Cristão

Pastor acusa ideologia marxista de ter promovido o fechamento das igrejas durante a pandemia

O religioso norte-americano tem alertado os cristãos sobre os perigos do avanço do marxismo na sociedade

Publicado

em

Em quase todo o mundo as igrejas foram fechadas em uma tentativa de controlar o avanço do novo coronavírus, vírus que causa a covid-19, doença que matou mais de 4 milhões de pessoas.

Mas para o pastor Che Ahn, da Harvest Rock Church em Pasadena, Califórnia (EUA), o fechamento das igrejas não foi uma medida sanitária, mas sim uma oportunidade de políticos ligados à esquerda que desejam controlar a sociedade.

“Quando a pandemia aconteceu, acho que muito do que eu chamaria de governadores de esquerda, você pode chamar de democratas ou liberais, mas sinto que eles são mais de esquerda, acho que aproveitaram a oportunidade para realmente controlar a sociedade e uma das áreas que acho que eles realmente gostam de controlar é a igreja porque, historicamente, a igreja sempre se colocou contra o governo de controle neste país”, disse ele ao Epoch Times.

As restrições relacionadas à religião, segundo Ahn, sinalizam algo mais profundo do que apenas medidas sanitárias. “O marxismo é uma religião. O humanismo é uma religião. É colocar o ser humano no topo ao invés de Deus, e assim, [o socialismo] fará todo o possível para levar as pessoas a rejeitarem a adoração ao Deus verdadeiro”.

O líder religioso entende que há uma guerra contra os valores judaico-cristãos que fundamentam a sociedade norte-americana e a agressão às igrejas seria parte dessa batalha política e ideológica.

No ano passado, Ahn se viu entre vários pastores em conflito com o governo por causa das restrições ao culto em razão da pandemia. A Califórnia implementou restrições particularmente rígidas aos cultos de adoração, mas não impôs as mesmas medidas para negócios seculares.

O pastor Ahn chegou a processar o estado da Califórnia por ter proibido os cultos e também os estudos bíblicos domésticos. O caso chegou até a Suprema Corte que devolveu para o tribunal distrital indicando pela derrubada do decreto, isso é, permitindo a volta dos cultos.

Além disso, a várias igrejas que processaram o estado nos EUA foram indenizadas após vencerem os processos, o valor será para pagar os honorários advocatícios e custas judiciais.

Saiba + Igrejas evangélicas cubanas exigem que o governo ouça o povo

PUBLICIDADE