Conecte-se conosco
[the_ad id="107359"]

Brasil/Mundo

Preocupada com o crescimento da Igreja, China proíbe palavras como “Deus”, “Bíblia” e “Cristo”em livros infantis

Publicado

em

Da redação

A campanha contra o cristianismo no país é por conta do medo de que a China se torne o “maior país cristão no mundo” em 2030

De acordo com a agência de notícias Asia News, palavras como “Deus”, “Bíblia” e “Cristo” foram retiradas de livros para crianças das escolas primárias na China. Em uma tentativa de reduzir a adesão a religiões, em particular ao cristianismo, ou submetê-los a uma “sinização” forçada, essas palavras têm sido censuradas mesmo em histórias de autores estrangeiros.

+ China quer que igrejas substituam Dez Mandamentos por citações de Xi Jinping

+ China — A tirania totalitária determinada a erradicar todas as religiões

No começo do ano, o governo, em parceria com editoras, publicou um livro para alunos do quinto ano, que contém quatro histórias de escritores estrangeiros e outros textos de autores clássicos chineses. De acordo com o Ministério da Educação Chinês, o livro espera oferecer aos alunos um entendimento de outras culturas. Infelizmente, as histórias foram manipuladas para atender a necessidade do partido de abafar qualquer referência religiosa.

Na história “A Pequena Vendedora de Fósforos”, de Hans Christian Andersen, em um certo ponto, é dito que: “Quando uma estrela cai, uma alma vai estar com Deus”. Na versão “chinesa”, com a alteração, ficou: “Quando uma estrela cai, uma pessoa deixa esse mundo”. “Robinson Crusoe”, de Daniel Defoe, também sofreu censura: náufrago em uma ilha isolada, o protagonista se empenha em recuperar três cópias da Bíblia dos restos do naufrágio. A nova versão elimina a palavra “Bíblia” e diz que Crusoe trabalhou para salvar “alguns livros” do navio destruído. Uma parte também foi eliminada da história “Vanka”, de Anton Chekhov, que fala sobre uma oração em uma igreja e a palavra “Cristo” foi removida de todas as partes.

A censura de elementos da religião cristã também ocorre em outros níveis escolares. Nas universidades, há professores que condenam clássicos que contém palavras preocupantes à censura das religiões e os confiscam. Isso inclue “O Conde de Montecristo”, de A. Dumas, “Ressurreição”, de Lev Tolstoy, “Notre-Dame de Paris”, de Victor Hugo, entre outros. Tudo isso por conta das orientações dadas pelo presidente Xi Jinping, em 2015, que para essas religiões existirem na China devem “ser sinizadas”, se assimilando à cultura chinesa e se submetendo ao Partido Comunista. Essa “sinização” é obtida por meio da exaltação do patriotismo nacionalista e do desprezo às religiões estrangeiras, como o cristianismo.

De acordo com observadores, a campanha contra o cristianismo é por conta do medo de que a China se torne o “maior país cristão no mundo” em 2030, como alguns sociólogos preveem. Ao mesmo tempo, isso também age como um escudo para ideias como democracia, direitos humanos, justiça, e lei de direito.

(Com Portas Abertas)

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Brasil/Mundo13 horas atrás

Motivação de estudantes aumentou com retorno das aulas presenciais, diz pesquisa

Na opinião de pais, 87% dos filhos que frequentam as aulas presenciais se sentem mais animados

Brasil/Mundo1 dia atrás

Governo de Rondônia proíbe ‘linguagem neutra’ nas escolas

Os professores e instituições poderão ser punidos se não obedecerem

Brasil/Mundo2 dias atrás

Moraes determina prisão preventiva e extradição de Allan dos Santos

Blogueiro bolsonarista é alvo do inquérito que apura a divulgação de notícias falsas

Brasil/Mundo2 dias atrás

Covid-19: 20 milhões de brasileiros estão com a segunda dose da vacina atrasada

Índice de pessoas completamente vacinadas contra a doença já teria passado dos 80% do público-alvo, caso não houvesse atraso na...

Brasil/Mundo2 dias atrás

Governo Federal anuncia o Auxílio Brasil de R$ 400 até o final de 2022

O número de beneficiários será ampliado em relação ao Bolsa Família e deve chegar a 16,9 milhões de famílias

Brasil/Mundo3 dias atrás

Inscrições para cursos gratuitos do Google encerram nessa sexta (22/10)

As capacitações são na área de tecnologia e começam nesse ano

Brasil/Mundo4 dias atrás

Censura: Instagram retira ‘recurso de links’ de perfis conservadores

Internautas falam de perseguição política e tentativa de censura

Brasil/Mundo4 dias atrás

Lego anuncia brinquedos sem gênero para influenciar crianças “contra o preconceito”

Para a marca, acabar com o “estereótipos nocivos” vai ajudar as crianças a não serem preconceituosas

Publicidade