Conecte-se conosco

Brasil/Mundo

Proposta de Fachin causa surpresa e espanto

Publicado

em

Foto: Getty Images 

Recentemente, o ministro Edson Fachin fez uma proposta que causou surpresa e espanto quando sugeriu que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) reconheça, a partir das eleições de 2020, o “ilícito” de “abuso de poder religioso”, possibilitando, com isso, que o acusado tenha seu mandato cassado.

Essa proposta nasceu depois do julgamento do caso da vereadora Valdirene Tavares (Republicanos-GO), que é pastora da Assembleia de Deus, acusada de fazer uso da sua posição religiosa para angariar votos em seu favor.

+ Proposta de Fachin ‘tenta excluir as pessoas de fé do debate público’, alertam juristas

+ ANAJURE e Frente Evangélica alertam para insegurança jurídica e ofensa à liberdade religiosa em proposta de Fachin

No caso de Valdirene, Fachin votou contra a cassação por falta de provas, mas propôs que todos os atos de abuso de poder religioso sejam analisados nas ações de investigação judicial eleitoral.

“A imposição de limites às atividades eclesiásticas representa uma medida necessária à proteção da liberdade de voto e da própria legitimidade do processo eleitoral, dada a ascendência incorporada pelos expoentes das igrejas em setores específicos da comunidade”, afirmou o ministro no dia do julgamento da vereadora.

Para entender melhor, atualmente, a jurisprudência eleitoral considera apenas atos de abuso de poder econômico e político como razão para cassação de mandato.

Assim, essa proposta de cassação de mandato por abuso de poder religioso não faz sentido e soa um tanto preconceituosa. Se o TSE caçar mandato de representantes eleitos por grupos religiosos também caçará representantes eleitos por outros grupos, como pelos sindicatos, pelas ONGs, pelos militares e LGBTs, entre outros?

Vale lembrar que a Lei 9504, de 1997, já proíbe a propaganda eleitoral em templos, uma vez que eles são considerados bens de uso comum. Então, o que pretende o ministro Edson Fachin com isso?

É preciso lembrar que a política caminha de mãos dadas com a religião desde a formação do Brasil, com a chegada dos portugueses. Os primeiros católicos chegaram ao nosso país com os exploradores portugueses, começando assim o processo expansionista da religião. A relação da Igreja Católica era muito estreita com o Estado: enquanto a instituição tinha o poder de realizar tarefas administrativas, o Estado podia fazer a nomeação de bispos, etc.

A Constituição Federal de 1824 chegou a instituir o catolicismo como religião oficial do Império. Essa realidade só mudou com a Proclamação da República, em 1889, quando a ligação formal entre Igreja e Estado deixou de existir, apesar de a influência católica ter continuado viva.

Avançando os anos, a Constituição Federal de 1891 carimbou a ausência desse tipo de relação porque nela foi instituído o modelo de Estado laico, ou seja, o Estado não poderia se apoiar nem se opor a nenhuma religião. Essa exclusão facilitou a ascensão de muitas outras religiões no País, incluindo a evangélica. A participação dos “evangélicos” na política aumentou depois dos anos 1980, coincidindo com os novos rumos políticos do Brasil, depois de anos de ditadura.

Agora, é interessante que a maioria dos políticos tem religião, mas claramente a evangélica é a mais lembrada e a todo tempo tentam barrá-la. Então, a pergunta que fica aqui é: por quê?

É preciso lembrar, como bem disse o juiz federal William Douglas, que “a tese do abuso religioso é eivada (contaminada) de uma visão equivocada, que tenta excluir as pessoas de fé do debate público. O Estado é laico, não laicista (intolerante à religião e contra a participação da igreja na esfera pública)”.

(Com Universal)

AGROTINS 2021

Últimas notícias

Brasil/Mundo1 dia atrás

Levantadora de pesos diz que a presença de atletas trans tornará o jogo olímpico “injusto”

Laurel Hubbard já competia nos campeonatos masculinos até que em 2013 se tornou mulher trans

Brasil/Mundo1 dia atrás

PM de Alagoas exonera subcomandante que defende Bolsonaro e ataca opositores nas redes sociais

Um dia após a exoneração, o militar publicou uma foto no Facebook e escreveu: "Entre o louco e o corrupto,...

Brasil/Mundo1 dia atrás

Benjamin Netanyahu deixa o cargo de primeiro-ministro de Israel

Novo premiê foi eleito pelo parlamento israelense após acordos políticos

Brasil/Mundo1 dia atrás

Biden hasteia a bandeira LGBT na embaixada dos EUA no Vaticano e é criticado

Entre os críticos está o pastor Franklin Graham que entendeu a decisão como um desrespeito ao simbolismo religioso do Vaticano

Brasil/Mundo1 dia atrás

Mandato de Benjamin Netanyahu chega ao fim em Israel

É a primeira vez que o partido árabe Ra’am fará parte oficialmente do governo, que terá apoio de uma coalização...

Brasil/Mundo1 dia atrás

Doria cumpre o que prometeu e multa Bolsonaro por andar sem máscara em ‘motociata’

O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, também foram multados

Brasil/Mundo4 dias atrás

Vídeo: Pastor Wellington Júnior recebe forte profecia de que irá enfrentar muitos levantes

"Agora esse é o momento meu filho, em que tu às de assumir muitas responsabilidade na minha obra", disse a...

Brasil/Mundo4 dias atrás

Liminar ordena a suspensão da Lei do Aborto na Argentina por inconstitucionalidade

Ação movida por um cidadão resultado na liminar assinada na cidade de Mar del Plata

Brasil/Mundo5 dias atrás

Câmara aprova urgência para projeto que institui federações de partidos políticos

Pelo projeto, após registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), atuem como se fosse uma agremiação única

Brasil/Mundo5 dias atrás

Taxa de empreendedorismo no Brasil cai mais de 18% durante a pandemia

De acordo com o relatório da GEM 2020, o número de empreendedores iniciais motivados por necessidade saltou de 37,5% para...