Conecte-se conosco
[the_ad id="107359"]

Tocantins

Secretaria de Saúde rescinde contrato e deixa UPAs de Palmas sem segurança

Publicado

em

Da Redação JM Notícia

A Secretaria Municipal de Saúde (SEMUS) rescindiu contrato com a empresa Tocantins Vigilância, responsável pelo serviço de vigilância nas duas Upas e nos dois Caps da Capital. Ao justificar a decisão unilateral, o órgão alegou descumprimento de cláusulas contratuais.

O contrato foi rompido no dia 30 de junho, mas a empresa só foi notificada em 11 de junho através de um documento enviado para a sede da empresa pedindo a retirada imediata do pessoal que prestava os serviços no órgão. Desde então, as UPAs estão sem segurança.

O proprietário da empresa, Wesley Santos Silva, contesta a rescisão unilateral do contrato e afirma que não foi respeitado o direito ao contraditório e ampla defesa, conforme determina o artigo 5º, inciso LV da Constituição Federal. Ele suspeita que a rescisão foi uma trama para contratação emergencial de forma irregular de outra empresa de vigilância.

Wesley diz estanhar a celeridade no processo de rescisão, uma vez que alguns de seus funcionários o informaram que já nesta sexta-feira, dia 14, os mesmos continuarão trabalhando nas UPAS e nos Caps para a empresa Cantão Vigilância. O detalhe curioso, segundo Wesley, é que essa Empresa Cantão participou da licitação anterior e foi desclassificado por não ter documentação.

“É estranho uma empresa ser contratada sem nenhum processo licitatório, mesmo tendo essa mesma empresa sido desclassificada no processo que originou a contratação da empresa Tocantins Vigilância”, ressalta Wesley.

 

Atrasos

Segundo Wesley, começaram a haver atrasos no pagamento dos funcionários em função de que a Secretaria Municipal de Saúde de Palmas passou a atrasar os repasses do serviço prestado, desde dezembro de 2016 para a empresa. “A SEMUS não pagou dezembro no prazo, pagou janeiro somente em março e por conta dos atrasos houve um processo trabalhista movido pelo sindicato da categoria e a SEMUS cumpriu em parte a determinação judicial, ou seja, os meses de dezembro/2016 e fevereiro/2017”, explica.

O proprietário da Tocantins Vigilância afirma ainda que a SEMUS encontra-se inadimplente com a empresa com relação aos meses de março, abril, maio, junho e 11 dias de julho. Ainda nesta quarta-feira, dia 12, Wesley Santos protocolou um documento, junto à secretaria solicitando o pagamento dos meses em atraso.

Veja o anúncio do rompimento do contrato:

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Brasil/Mundo55 minutos atrás

Covid-19: 20 milhões de brasileiros estão com a segunda dose da vacina atrasada

Índice de pessoas completamente vacinadas contra a doença já teria passado dos 80% do público-alvo, caso não houvesse atraso na...

Brasil/Mundo22 horas atrás

Governo Federal anuncia o Auxílio Brasil de R$ 400 até o final de 2022

O número de beneficiários será ampliado em relação ao Bolsa Família e deve chegar a 16,9 milhões de famílias

Brasil/Mundo2 dias atrás

Inscrições para cursos gratuitos do Google encerram nessa sexta (22/10)

As capacitações são na área de tecnologia e começam nesse ano

Brasil/Mundo2 dias atrás

Censura: Instagram retira ‘recurso de links’ de perfis conservadores

Internautas falam de perseguição política e tentativa de censura

Brasil/Mundo3 dias atrás

Lego anuncia brinquedos sem gênero para influenciar crianças “contra o preconceito”

Para a marca, acabar com o “estereótipos nocivos” vai ajudar as crianças a não serem preconceituosas

Brasil/Mundo3 dias atrás

Por reclamarem de banheiro coletivo unissex, Joana Prado e Vitor Belford perdem patronício

A empresa foi pressionada por internautas para romper contrato com o casal; usuários da rede alegam de "transfobia"

Brasil/Mundo4 dias atrás

Pesquisa aponta profissão de professor como a mais confiável entre a população

Foram ouvidos de 19 mil entrevistados com idades entre 16 e 74 anos em diferentes países

Brasil/Mundo4 dias atrás

Auxílio Emergencial pode ser prorrogado até 2023 com valor de R$ 250

Prorrogação deve ser feita devido a demora na aprovação do Auxílio Brasil no Congresso Nacional

Publicidade